Jundiá – Principais espécies e como pescar esse peixe

Compartilhe:

Conheça os dois principais peixes conhecidos como Jundiá no Brasil e como fisgar esse peixe

No Brasil, alguns peixes são muito comuns e conhecidos por pescadores de todas as regiões, sendo o Jundiá, um desses famosos peixes brasileiros. Mas você sabia que há diversas espécies de Jundiás? E essa diversidade dentro da espécie causa até mesmo algumas discussões entre pescadores de regiões diferentes do Brasil, sobre qual é o verdadeiro Jundiá.

É sobre isso que vou debater hoje nesse artigo, e posso afirmar de antemão que as duas espécies que vamos mostrar são Jundiás, e os dois habitam rios, represas, açudes e valos de todo o Brasil.

Os tipos de Jundiás que vamos tratar aqui são: O Jundiá (Rhamdia quelen), mais comum no sul do Brasil e o Jundiá (Rhamdia sebae), presente na bacia amazônica.

jundiá do sul do Brasil rhamdia quelen
Rhamdia quelen
jundiá do sul do Brasil rhamdia sebae
Rhamdia sebae

Por habitarem águas tão distantes dentro do mesmo país, até pouco tempo atrás os pescadores do sul não tinham conhecimento desse Jundiá mais pintado lá do norte e os pescadores do norte não tratavam o Jundiá do Sul por esse nome, já que essa espécie até era encontrada em algumas localidades do norte mas era chamada apenas de Bagre. Como esse peixe possui pelo menos 11 espécies, é normal que se confunda muito os pescadores sobre sua nomenclatura e identificação.

Habitat do Jundiá

No sul do Brasil, O Jundiá (Rhamdia quelen) é encontrado praticamente em todas as bacias hidrográficas da região, podendo também ser encontrado em algumas represas, valos, açudes e na Lagoa dos Patos. É um peixe que pode ser capturado no fundo, tanto em leitos barrentos quanto arenosos.

Já o Jundiá (Rhamdia sebae) presente no norte do Brasil, é um peixe presente em rios de águas limpas com fundos pedregosos. Na época de sua reprodução, é mais comum pescar esse peixe em águas calmas, porém fora desse período, o Jundiá amazônico também pode ser capturado em corredeiras dos mesmos rios.

As duas espécies de Jundiás citadas aqui podem atingir aproximadamente 70cm (machos) e 55cm (fêmeas), tornando a espécie, que é muito forte, um grande peixe esportivo do nosso país.

Alimentação dos Jundiás

O Jundiá se alimenta de outros peixes, crustáceos, insetos terrestres e aquáticos, restos vegetais e sedimentos que ficam no fundo do rio, valo ou represa em que habitam. Por essa alimentação variada, é possível pescar Jundiás com uma grande variedade de iscas.

Mas afinal, qual a melhor isca para pescar Jundiá?

De um modo geral, as iscas comumente encontradas em todo o Brasil são muito eficientes na captura das duas espécies de Jundiás, como as seguintes:

  • minhocas
  • minhocuçu
  • lambari
  • fígado de frango ou de gado
  • tripa de galinha

Veja aqui duas pescarias de Jundiás feitas por pescadores do Sul e do Norte do Brasil

Considerações finais

Há outras formas não tão comuns de pescar Jundiás, principalmente em pesqueiros e represas, utilizando rações e massas para pesca com aromas como goiaba, amendoim, carnívoros entre outras. Confesso que nunca tentei utilizar esses tipos de iscas em rios e valos mas não duvido de sua eficiência também na natureza.

Se você curtiu nosso artigo sobre o Jundiá e como pescar esse peixe de couro brasileiro, deixe seu comentário aqui no blog que vamos compartilhar ele com nossos outros leitores.

Aproveite e siga Pescaria S/A no Facebook e fique atualizado sobre nosso conteúdo. Também estamos no Youtube com nosso Canal Pescaria S/A. Obrigado por visitar o Blog Pescaria S/A. Boa pescaria!

Deixe um comentário